Ao lado de Malafaia, Bolsonaro promete governar com ‘valores da família cristã’

O presidente eleito Jair Bolsonaro disse que está comprometido com os “valores da família cristã” em seu governo. “Mais ainda, vamos valorizar a família brasileira”, disse no programa do pastor Silas Malafaia, exibido neste sábado (3) na TV Bandeirantes.

Em uma primeira parte do programa, o pastor que celebrou o casamento do capitão da reserva com Michelle Bolsonaro em 2013, conversou com Bolsonaro por cerca de 10 minutos em um cenário com a bandeira de Israel ao fundo.

O novo presidente disse que irá usar tecnologia israelense para acabar com a seca no Nordeste brasileiro. “Vamos dar uma verdadeira independência para esse povo de forma que saia das mãos dos coronéis políticos da região”, afirmou. Bolsonaro disse que encontrou duas vezes com o embaixador israelense após eleito.

O novo chefe do Executivo anunciou nesta semana que iria mudar a embaixada do Brasil em Israel de Tel Aviv para Jerusalém. A medida inédita na diplomacia brasileira e na contramão da maioria dos países foi elogiada pelo primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu e criticada por palestinos.

O Estado judeu considera toda a cidade como sua capital, enquanto os palestinos desejam tornar Jerusalém Oriental a capital do seu futuro Estado.

Malafaia criticou o uso de termos como “salvador da pátria dos evangélicos” para se referir ao capitão da reserva. “Ele não eleito por evangélicos. Foi eleito pelo povo brasileiro”, afirmou. O pastor também saiu em defesa do entrevistado em outros momentos. “Todo cara que é transparente fala bobagem”, afirmou, em referência indireta a controvérsias do convidado.

O pastor também agradeceu a Bolsonaro, que foi parlamentar por 27 anos, pela presença em audiências públicas na Câmara dos Deputados em temas como aborto. “Foi um negócio muito legal”, lembrou.

Ao final da primeira parte do programa, Malafaia falou sobre Michelle Bolsonaro, esposa do novo presidente. “Está há anos na nossa igreja, é discreta, gosta dos bastidores”, afirmou. Ele também elogiou seu trabalho voluntário com deficientes e espera uma atuação promissora como primeira-dama. “Vai ser um instrumento muito abençoador para essa área”, afirmou.

Bancada da bala e da Bíblia
Bolsonaro voltou a dizer que sua equipe ministerial será formada por pessoas técnicas e que o “toma lá dá cá” tem como consequência a ineficiência do Estado e a corrupção. Por outro lado, ele atribuiu o apoio das bancadas da bala e da Bíblia a um “trabalho de convencimento” nos últimos 4 anos.

Além de prometer “valorizar a família”, o presidente eleito disse que seu governo irá “respeitar a inocência das crianças em sala de aula”, em uma referência indireta ao projeto de lei Escola Sem Partido, que pode ser votado em uma comissão especial da Câmara dos Deputados na próxima semana.

Uma das bandeiras das bancadas católica e evangélica, a proposta altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação para proibir o desenvolvimento de políticas de ensino e adoção de disciplinas no currículo escolar “nem mesmo de forma complementar ou facultativa, que tendam a aplicar a ideologia de gênero, o termo ‘gênero’ ou ‘orientação sexual'”, segundo parecer.

Estado laico
Em uma segunda etapa do programa de Malafaia, dentro da igreja, o pastor fez uma oração por Bolsonaro, que chamou de “milagre” sua vitória nas urnas. “Tenho certeza que não sou o mais capacitado, mas Deus capacita os escolhidos”, disse. Ele afirmou ter chorado após o resultado, assim como em seu casamento.

Ao final, Malafaia voltou a defender o convidado, após uma oração. “O Estado é laico, mas não laicista. O povo tem religião e qualquer um expressa sua fé de maneira livre”, disse. Ele também afirmou que Bolsonaro será o presidente mais cobrado da história do País e criticou a imprensa. “Hoje cada celular é uma emissora de televisão, uma editoria de jornal. Acabou o monopólio da informação”, afirmou.

Tanto o pastor quanto Bolsonaro disseram que o então candidato foi vítima de mentiras ao longo da campanha, mas não fizeram referência a informações falsas propagadas pela equipe do novo presidente.

Em seu primeiro ato público após a vitória no segundo turno, Bolsonaro participou na noite da última terça-feira (30) de um culto na Assembleia de Deus Vitória em Cristo, no Rio de Janeiro, cujo presidente é o pastor Silas Malafaia.

O presidente eleito discursou por cerca de 5 minutos ao lado do pastor No dia seguinte, Malafaia visitou o capitão da reserva em sua casa.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: