Bolsonaro critica migração e diz que vida na França ficou insuportável

O presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), disse nesta terça-feira (18) que a migração tornou “simplesmente insuportável” viver em algumas partes da França e voltou a falar em barrar imigrantes que queiram vir ao Brasil.

Ele lamentou que o atual governo tenha assinado um pacto de migração e disse que vai revogar a participação quando assumir o cargo.

“Todo mundo sabe o que está acontecendo com a França. Está simplesmente insuportável viver em alguns locais da França. E a tendência é aumentar a intolerância. Os que foram para lá, o povo francês acolheu da melhor maneira possível. Mas vocês sabem da história dessa gente, né? Eles têm algo dentro de si que não abandonam as suas raízes e querem fazer valer a sua cultura, os seus direitos lá de trás, e os seus privilégios.”

Bolsonaro deu as declarações durante transmissão ao vivo em seu perfil no Facebook. Ele disse que a França “está sofrendo” com a situação. “Parte da população, parte das Forças Armadas, parte das instituições começam a reclamar no tocante a isso. Nós não queremos isso para o Brasil”.

“Não somos contra imigrantes, mas, para entrar no Brasil, tem que ter um critério bastante rigoroso. Caso contrário, no que depender de mim, não entrarão.”

CUBA E VENEZUELA

No vídeo, o presidente eleito também comentou a decisão de desconvidar para a posse os ditadores de Cuba e Venezuela e justificou afirmando que a cerimônia é uma festa “da democracia”.

Disse que não convidar o venezuelano Nicolás Maduro é a melhor forma de apoiar o povo do país vizinho.

Sobre Cuba, reclamou do modelo do programa Mais Médicos e fez acusações contra os participantes do acordo de cooperação com o Brasil.

“Pelo que sabemos os primeiros 200 que foram embora eram todos agentes cubanos ou integrantes do Exército cubano. Estavam aqui vigiando, tomando conta do trabalho escravo praticado por eles aqui dentro, com a conivência do PT e de outros partidos, e resolveram sair antes porque poderiam com toda certeza ser checados por nós agora em janeiro e ter a confirmação que não tinham nada a ver com a medicina.”

Com informações da Folhapress.

%d blogueiros gostam disto: