Bolsonaro irozina aliança de centrão com Alckmin: ‘Tudo que não presta’

O pré-candidato à Presidência Jair Bolsonaro (PSL) ironizou neste sábado (21), aliança firmada por seu adversário tucano, Geraldo Alckmin, com os partidos do centrão -DEM, PP, SD e PR.

“Eu quero cumprimentar o Alckmin. Ele juntou a alta nata de tudo que não presta no Brasil ao lado dele”, disse. O presidenciável fez uma ressalva, afirmando que não se referia aos deputados e senadores.

“A alta nata não quer dizer os parlamentares. A nata que define, que decide as situações”, disse.

Apesar de criticar o bloco de partidos, o deputado viu na última semana naufragar sua tentativa de firmar aliança com um deles, o PR de Valdemar Costa Neto, ex-deputado condenado no processo do mensalão. Com a parceria, ele tentava atrair o senador Magno Malta (ES) como vice em sua chapa.

Ao fim de um evento de formatura de paraquedistas do Exército, Bolsonaro disse que pretende se eleger para mudar a política do “toma lá dá cá” em Brasília.

Embora critique o centrão, ele diz ter canal aberto para dialogar com parte do centrão.

“Ele [Alckmin] é um general sem tropa porque 40% dos deputados que compõem esses partidos [centrão] têm um compromisso de governabilidade sem o toma lá da cá conosco.”

Capitão reformado, Bolsonaro participou do evento realizado anualmente pelo Exército no Rio de Janeiro. Vestido de terno preto e camisa branca, ficou na primeira fileira do palanque montado para receber oficiais ao lado de nomes como o general Braga Netto, interventor federal na Segurança do Rio de Janeiro.

No momento de cumprimento das famílias aos formandos, Bolsonaro desceu do palanque e foi cercado por pessoas que dedicaram palavras em apoio à sua candidatura e pediram para tirar selfies ao seu lado.

No domingo (22), ele será oficializado pelo PSL como pré-candidato ao Palácio do Planalto em convenção nacional do partido, no Rio.

Após duas tentativas frustradas de aliança -a primeira delas com PR e a segunda com o PRP do general reformado Augusto Heleno Bolsonaro- ainda segue na busca por um vice.

Ele confirmou que as tratativas com a advogada Janaina Paschoal, autora do impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, seguem em curso. Ele disse que as conversas estão em fase de “noivado”.

“Ela é uma pessoa vivida na questão de sofrer pressão, do impeachment, de sofrer muita pressão. Então ela está apta a se manter numa tranquilidade quando pressionada. E logicamente a bagagem cultural dela, vai somar muito”, explicou.

Segundo ele, a escolha de seu vice se dará dentro do próprio PSL. Além do nome da advogada, é cotado para o cargo o presidente licenciado da legenda, Luciano Bivar.

“Eu acho que a Janaina é o ideal para o que a gente pretende. Vamos ter uma dupla em Brasília imune ao centrão”, disse.

Bolsonaro criticou a atual forma de o Executivo se relacionar com o Legislativo.

“Se é pra fazer a mesma coisa, não vote em mim. É simples: eu não quero conversar com Sergio Moro em Curitiba. Vocês falam tanto que tem que ter governabilidade… essa forma de governar é que levou o Brasil à ineficiência e à corrupção não encontrada em nenhum lugar do mundo.” Com informações da Folhapress.

Deixe uma resposta