Coronavírus dá trégua em Itália e Espanha; EUA espera semana difícil

Espanha, Itália e França registraram uma esperançosa redução do número de mortos por coronavírus nas últimas horas, mas a pandemia, que já matou 65.000 pessoas em todo o mundo, ameaça os Estados Unidos, onde os cidadãos se preparam para sua “semana más dura”.

Uma imagem resumiu neste domingo (5) a calamidade que assola o mundo: o papa Francisco, sozinho, dando início à Semana Santa, normalmente sinônimo de igrejas lotadas e procissões, mas que este ano chega com metade da população mundial confinada.

“Olhem para os verdadeiros heróis que vêm à tona nestes dias. Não são os que têm fama, dinheiro e sucesso, e sim os que se entregam para servir aos demais. Sintam-se chamados a arriscar a vida. Não tenham medo de gastá-la por Deus e pelos demais: vão ganhá-la!”, disse o papa em uma basílica vazia.

Os balanços de mortos e infectados pelo novo coronavírus continuam aumentando e até este domingo havia mais de 1,2 milhão de contágios em 190 países, segundo contagem da AFP.

Do total de mortos, 47.000 estão na Europa, principalmente em Itália e Espanha, onde os moradores começam a recuperar a esperança.

– Esperança e prudência –

Na Espanha, pelo terceiro dia consecutivo, registrou-se uma redução no número de falecidos pelo novo coronavírus. Nas últimas 24 horas morreram 674 pessoas, o que situa o balanço total de mortos por coronavírus no país em 12.418.

Após uma semana trágica, na qual em 2 de abril foi alcançada a cifra de 950 mortes por dia, as estritas medidas de confinamento, que se estenderão até 25 de abril, parecem começar a dar frutos e as autoridades estudam uma flexibilização progressiva das restrições.

“Trata-se de sermos muito prudentes para não desperdiçar todo o esforço feito pela sociedade espanhola”, advertiu o ministro da Saúde, Salvador Illa.

A Espanha é o segundo país do mundo mais castigado pela pandemia, depois da Itália, onde as cifras deste domingo também eram animadoras.

O número de mortos diários por coronavírus foi de 525, a cifra mais baixa desde 19 de março, anunciaram neste domingo os serviços de Proteção Civil desde país que soma 15.887 mortos.

“São boas notícias, mas não deveríamos baixar a guarda”, disse o chefe de Proteção Civil, Angelo Borrelli, à imprensa.

E na França, o balanço do domingo foi de 357 mortes, a menor cifra em uma semana.

– “Haverá muitos mortos” –

Nos Estados Unidos, ao contrário, os óbitos vão continuar aumentando nos próximos dias, advertiu o presidente Donald Trump.

No país já há mais de 310.000 contágios e 9.000 mortos. “Esta, provavelmente, será a semana mais difícil (..) Haverá muitos mortos”, advertiu Trump, prevendo a entrada do país em um “período que será horroroso”.

O estado de Nova York, epicentro da crise nos Estados Unidos, registrou 594 falecidos nas últimas 24 horas. O total de mortes no estado superou os 4.150.

“Estamos muito perto do pico” de contágios ou pode ser que “esse pico seja uma colina e estejamos nela”, disse o governador, Andrew Cuomo.

“Médicos, enfermeiras, especialistas em respiração assistida. Se ainda não estão nessa batalha, venham porque precisamos de vocês”, pediu o prefeito de Nova York, Bill de Blasio.

No Reino Unido, que já supera os 4.300 mortos, a situação é tão crítica que a rainha Elizabeth dirigiu-se neste domingo aos britânicos em um discurso histórico no qual agradeceu ao pessoal sanitário que trabalha sem trégua contra a pandemia do novo coronavírus e aos britânicos que ficaram em casa para conter a propagação da doença.

 

Deixe uma resposta


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/brasilno/public_html/wp-includes/functions.php on line 4757