Meirelles cita Lula e diz que foi responsável por boa fase do PT

A nova estratégia da campanha de Henrique Meirelles (MDB) ao Planalto foi testada nesta quarta-feira (4) diante de uma plateia que lhe é familiar: os empresários. Orientado por sua equipe de comunicação, Meirelles fez um discurso em que citou o governo do ex-presidente Lula (PT) como sua experiência de sucesso e disse que vai mostrar que foi ele quem conduziu a política econômica na boa fase da gestão petista.

Se eleito presidente da República em outubro, o ex-ministro da Fazenda diz que fará em quatro anos o que já fez pelo país nos dois governos dos quais participou. “Eu sirvo o país. Trabalhei com Lula, trabalhei com Temer”.

“A lembrança daquela época [governo Lula] é a de que 60 milhões de pessoas entraram na classe média, porque o país cresceu”, disse Meirelles durante evento promovido pela CNI (Confederação Nacional da Indústria). “Vou mostrar quem conduziu a economia naquele período”, completou.

Meirelles comandou o Banco Central durante os oito anos de Lula no poder e, durante a gestão Temer, de maio de 2016 a abril deste ano, foi o chefe da equipe econômica do emedebista.
Empacado com 1% nas pesquisas há meses, o pré-candidato foi orientado pela equipe de campanha a adotar um discurso mais assertivo e agressivo em relação aos adversários, principalmente contra Jair Bolsonaro (PSL) e Ciro Gomes (PDT).

Além disso, foi estimulado pelos auxiliares a citar Lula sem constrangimento, deixando um papel mais tímido -ou quase nulo – para Michel Temer, de quem foi ministro, mas que carrega o título de presidente mais impopular da história, com 82% de reprovação.

Segundo ele, pesquisas encomendadas por sua campanha mostram que quem tem informação sobre sua biografia, vota nele. Por isso, afirma, é preciso que as pessoas o conheçam para que ele suba nas pesquisas -e isso só deve acontecer, acredita, após o início da propaganda eleitoral na TV, em 31 de agosto.

Em seu discurso, Meirelles frisou que é a opção de segurança e experiência para a disputa ao Planalto e que tem uma biografia ilibada.

Também sob advertências de sua equipe de campanha, o ex-ministro tentou evitar uma palestra técnica, cheia de dados e focada em economia. Por pelo menos duas vezes, porém, se apressou em dizer que evitaria falar de números logo após repetir vários deles -um cacoete de economista.

Ele disse que a primeira medida enviada ao Congresso, caso seja eleito, será a reforma da Previdência -por meses a principal bandeira do governo Temer, mas que naufragou por falta de apoio parlamentar.

Defendeu ainda a redução da carga tributária e a simplificação tributária. Daí então, ele diz, as empresas terão mais condições de investir no país, gerando emprego.

Meirelles defendeu a simplificação em primeiro lugar, com impostos como PIS/Cofins, ICMS e correlatos consolidados em um imposto sobre valor agregado, distribuído entre estados e municípios de forma neutra. Para ele, a proposta é fundamental para o crescimento da indústria. Com informações da Folhapress.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: