Régis nega transferência e garante permanência no Bahia: “Cara realizado”

Régis não vai para o Al Wehda. Pelo menos por agora. Essa é a garantia do próprio jogador. Horas depois de o clube de Fábio Carille anunciar a contratação do jogador, o meia negou o acerto pouco antes do embarque para São Paulo, onde o Tricolor enfrenta o Santos neste sábado

– Realmente houve essa procura. Houve esse desejo. Fico feliz, estou fazendo um bom trabalho, tendo interesse de outros clubes. Meu foco é no Bahia. Estamos na reta final da Sul-Americana, temos jogo contra ao Santos… Estou feliz em ficar. Vou trabalhar bastante para dar alegria ao torcedor. Estou aqui, estou feliz – disse o meia.

De acordo com o jogador, a decisão de permanecer em Salvador foi tomada pelo histórico dele com a camisa azul, vermelha e branca.

Um cara realizado. Dois anos aqui, sou muito querido no grupo, no time e isso fez com que eu tomasse a decisão de ficar. A torcida tem um carinho especial, e espero corresponder nessa reta final do Brasileiro, na Sul-Americana, buscando coisas grandes, porque o Bahia merece.

O anúncio

A suposta transferência de Régis foi anunciada pelo Al Wehda em seu perfil no Twitter.

– Após forte concorrência com várias equipes do Golfo gerenciadas com sucesso, o clube, com a ajuda de Sua Excelência Turki Al-Sheikh, assinou com o astro brasileiro Regis Augusto Salmazzo – dizia o texto.

O diretor de futebol do Bahia, Diego Cerri, confirmou que houve a proposta, mas que Régis permanecerá com o elenco Tricolor. De acordo com ele, a importância do meia para a equipe foi determinante para a decisão de não fechar a venda.

– O Régis teve uma proposta do mundo árabe, do time do Fábio Carille. Era uma proposta boa para o clube, boa para o atleta, mas a gente em comum acordo, todos nós decidimos que, nesse momento, o mais importante para todos era a permanência do Régis. É um jogador fundamental, uma peça sempre utilizada tanto iniciando jogos, quando entrando para modificar o quadro das partidas… Isso dependendo do que o treinador entender. Tem uma importância muito grande. Decidimos pela permanência dele. Apesar da proposta ser financeiramente boa, aqui nesse momento o mais importante é o rendimento esportivo até o final da temporada – disse Cerri.

Formado nas divisões de base do São Paulo, Régis acumula passagens por Paulista, América-RN, Chapecoense, Sport e Palmeiras. Foi contratado pelo Bahia em 2016, emprestado pelo Sport. Após um ano e meio no Tricolor com vínculo temporário, ele assinou, no início desta temporada, um contrato em definitivo válido até o fim de 2020. A negociação para a aquisição do meia foi complexa. Como contrapartida da compra do goleiro Jean, o São Paulo adquiriu direitos do meia junto ao Sport e repassou ao clube baiano. O Tricolor baiano tem 45% dos direitos econômicos do meia. O restante é dividido entre o São Paulo, o Sport e o próprio jogador.

Com a camisa do Bahia, Régis disputou 117 jogos, marcou 23 gols e conquistou o acesso para a Série A em 2016, a Copa do Nordeste de 2017 e o Campeonato Baiano deste ano. O meia sofreu uma lesão no início da atual temporada e recuperou a titularidade recentemente. Na última quarta-feira, ele entrou no segundo tempo da partida contra o Internacional.

Deixe uma resposta