Governo leiloa trecho sul da BR-101/SC nesta sexta

O governo federal realiza nesta sexta-feira (21) o leilão de concessão do trecho sul da BR-101/SC. O leilão está marcado para às 10h, na sede da B3, em São Paulo.

Trata-se da primeira concessão de rodovia federal do ano e o segundo leilão do setor no governo Bolsonaro. O último foi o da BR-364/365, realizado em setembro e arrematado pela Ecorodovias.


G1

O trecho que será oferecido nesta sexta-feira possui 220 quilômetros, entre os municípios de Paulo Lopes (SC) e São João do Sul (SC), na divisa do estado com o Rio Grande do Sul. A rodovia dá acesso às praias mais importantes do estado, como a Praia do Rosa, Ferrugem, Balneário Camboriú e Bombinhas.

O edital prevê quatro praças de pedágio, com tarifa-máxima de R$ 5,19, por praça. Vencerá a disputa o grupo que oferecer o maior deságio (desconto) nessa tarifa.

O Ministério da Infraestrutura prevê investimentos da ordem de R$ 7,37 bilhões ao longo do período de 30 anos de concessão. A concessionária terá que construir, entre outras intervenções, 70 km de vias marginais, 98 km de faixas adicionais, 31 melhorias de acessos, 25 pontos de ônibus, 18 passarelas e 23 rotatórias. Além disso, 100% do trecho será monitorado por meio de câmeras, painéis de mensagem e sensores de tráfego.

Por se tratar também do primeiro leilão de concessão do ano de um projeto do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), o evento tende a ser um termômetro do apetite dos investidores e da atratividade dos ativos que estão sendo oferecidos pelo governo federal à iniciativa privada.

O governo prevê leiloar mais 6 rodovias em 2020. Na quarta-feira, anunciou a inclusão de 22 novos projetos no PPI, incluindo a relicitação de trecho da BR-040 entre MG e DF.

Modelagem vai mudar a partir dos próximos leilões
O leilão da BR-101/SC deverá ser o último a seguir a modelagem atual, pela qual é declarado vencedor da concessão o grupo que oferece a menor tarifa de pedágio.

A partir dos próximo leilão de rodovia, a disputa terá um modelo híbrido, que prevê também o pagamento de outorga (taxa paga para o governo para explorar a concessão).

Segundo o ministro da Infraestrutura, Tarcísio Freitas, a mudança busca garantir que o consórcio vencedor realize todos os investimentos previstos. Haverá um teto para o desconto tarifário oferecido pelas interessadas, a partir do qual começará a ser cobrada a outorga. “É uma forma de qualificar a competição a garantir caixa”, afirmou ao explicar a nova modelagem no começo do mês.

A concessão da Dutra deverá ser a primeira concessão sob o novo modelo, que ainda está em discussão pelo governo e também é alvo de críticas.

Deixe uma resposta


Notice: ob_end_flush(): failed to send buffer of zlib output compression (0) in /home/brasilno/public_html/wp-includes/functions.php on line 4757