Ministério da Saúde argentino determina que delegação do Boca Juniors cumpra 7 dias de isolamento

O ministério da Saúde da Argentina informou, nesta quarta-feira (21), que os integrantes da delegação do Boca Juniors terão que cumprir sete dias de isolamento após a partida contra o Atlético Mineiro nesta terça-feira (20). O time argentino se envolveu em confusão no Mineirão depois de uma polêmica eliminação para o time mineiro. A preocupação do ministério da Saúde argentino é de que a confusão entre as equipes tenha ocasionado uma quebra nos protocolos de segurança sanitária. Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, foram recebidas duas ocorrências na delegacia de plantão. Na primeira, os integrantes que pagaram fiança foram autuados em flagrante pelo crime de dano qualificado. Após o pagamento, eles foram liberados e responderão o processo em liberdade. Na segunda ocorrência, outros quatro integrantes da delegação assinaram um Termo Circunstanciado de Ocorrência (TCO) pelos crimes de lesão corporal e desacato, assumindo o compromisso de comparecer em futura audiência no Juizado Especial Criminal. Foram fichados por lesão corporal: os atletas Marcos Rojo, Diego González, Carlos Zambrano e o dirigente Raul Cascini. Já Cristian Pavón, Sebástian Villa e Norberto Briasco foram identificados por dano ao patrimônio do Mineirão. Nas imagens exibidas pelo canal Fox Sports, que fez a transmissão do duelo, é possível ver atletas utilizando grades de proteção e até um bebedouro como arma. De acordo com o Atlético-MG, o grupo da equipe argentina partiu na direção do vestiário dos árbitros na arena de Belo Horizonte e depois tentaram invadir a área do time anfitrião.

Deixe uma resposta